publicidade
Mapa do Site Anuncie sua empresa Anucie sua oferta Cadastre-se
Sucata de Metais Ferrosos Sucata de Metais Não-Ferrosos Sucata de Plástico Sucata de Papel e Papelão Sucata de Eletrônicos Sucata em Geral
em noticias site todo
24/11/2011 - 16:33 - Por: Brasil Econômico

Klabin estuda fábrica de celulose de R$ 3,8 bilhões

Foco da empresa é o mercado de fluff, matéria-prima utilizada na produção de itens como fraldas e absorventes

Após fechar o terceiro trimestre no prejuízo, a Klabin anunciou que sua intenção não é mais ficar focada somente no mercado de papéis e embalagens.

Está em estudo na companhia um projeto cujo objetivo é criar uma nova empresa focada apenas na produção de celulose, de acordo com o presidente, Fábio Schvartsman.

Se aprovada pelo conselho de administração, a fábrica irá totalizar investimento de R$ 3,8 bilhões.

Shvartsman pretende levar a proposta ao conselho no primeiro trimestre de 2012 para que a fábrica entre em funcionamento em 2014.

Antes disso, o presidente está à procura de investidores interessados em aplicar capital na fábrica e, além disso, espera também que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) seja responsável por uma fatia do montante total necessário.

A Klabin já possui as florestas necessárias para o empreendimento, que totalizam cerca de R$ 1 bilhão do total necessário para a fábrica.

Após a compra da Vale do Corisco, ocorrida no início deste mês em parceria com a Arauco, a empresa completou 110 mil hectares de terras plantadas com pinus e eucaliptos disponíveis para o projeto de produção de celulose.

E não é só a Klabin que está de olho no mercado de celulose. Outras empresas como Suzano e o grupo Eldorado, da JBS Friboi, também já anunciaram suas fábricas para até 2014.

A Fibria, por exemplo, além de investir na produção, abandonou o mercado de papéis em setembro para se focar totalmente na celulose.

No caso da Klabin, o maior interesse é na celulose do tipo fluff, matéria-prima utilizada na fabricação de itens como fraldas e absorventes. Para este tipo de produto é necessário produzir celulose de fibra longa.

"O mercado interno já está abastecido de fibra curta", diz.

Segundo ele, enquanto a tonelada de fibra curta custa hoje cerca de US$ 160, o fluff chega a US$ 265, em valores por tonelada.

De acordo com o estudo feito pela Risi, consultoria especializada na indústria de base florestal, o consumo de celulose fluff no país deve alcançar 300 mil toneladas neste ano.

O número é estimulado pelo crescimento do mercado de fraldas e absorventes que, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) aumentou 11,4% de 2009 para 2010.