publicidade
Mapa do Site Anuncie sua empresa Anucie sua oferta Cadastre-se
Sucata de Metais Ferrosos Sucata de Metais Não-Ferrosos Sucata de Plástico Sucata de Papel e Papelão Sucata de Eletrônicos Sucata em Geral
em noticias site todo
01/12/2011 - 16:48 - Por: metaanalise.com.br

Déficit da Indústria do cobre cresce 60% e atinge US$ 435,2 milhões em 2011

Estudo realizado pelo Sindicel, entre janeiro e setembro, mostra que as importações do setor subiram 39% e levaram os índices da balança comercial para baixo

Embora o setor do cobre venha mostrando sinais de melhora no âmbito internacional, após registrar o primeiro superávit na produção mundial em 2011, a indústria nacional ainda não tem motivos para comemorar. Um levantamento exclusivo realizado pelo Sindicel (Sindicato da Indústria de Condutores Elétricos, Trefilação e Laminação de Metais Não Ferrosos do Estado de São Paulo), revela que nos primeiros nove meses de 2011, o déficit do setor aumenta gradativamente. Em setembro desse ano, já registra US$ 435 milhões, sendo 60,7% maior que o registrado em igual período de 2010.

A sondagem ainda revela que os índices negativos da balança continuam sendo puxados pelo ritmo das importações, que cresceram 39,3% comparando os dois períodos. Entre janeiro e setembro de 2010, o valor importado era de US$ 677,9 milhões e, em 2011, saltou para US$ 944,8 milhões. “Apesar da crise, o mercado internacional de commodities começa a dar sinais de recuperação. O setor está otimista com relação a 2012”, afirma Sérgio Aredes, presidente do Sindicel. Já as exportações fecharam os nove primeiros meses do ano em US$ 509,6, representando um acréscimo de 25,7%.

Entre os parceiros comerciais, a Argentina é o país que mais comprou fios e cabos do Brasil, correspondendo a 45,1% de todo o volume das exportações brasileiras de fios e cabos.  Em seguida, aparece os Estados Unidos, com 5,9%. No que tange as importações, China e Estados Unidos foram nossos principais fornecedores entre janeiro e setembro desse ano. Os dois países juntos são responsáveis por quase metade das importações brasileiras, com respectivamente 32,1% e 15,8%.