publicidade
Mapa do Site Anuncie sua empresa Anucie sua oferta Cadastre-se
Sucata de Metais Ferrosos Sucata de Metais Não-Ferrosos Sucata de Plástico Sucata de Papel e Papelão Sucata de Eletrônicos Sucata em Geral
em noticias site todo
03/09/2010 - 16:36 - Por: DCI

Governo anuncia depósitos de minério de ferro e fosfato

Os dois depósitos estão localizados em uma área de 43 quilômetros quadrados no município de Mirassol D’Oeste, que fica no sudoeste do estado

O governo do Mato Grosso anunciou a descoberta de depósitos de 11 bilhões de toneladas de ferro e de 428 milhões de toneladas de fosfato. Os dois depósitos estão localizados em uma área de 43 quilômetros quadrados no município de Mirassol D’Oeste, que fica no sudoeste do estado.

O teor médio de ferro nas rochas é de 41% e de 6% no fosfato. Segundo o secretário de Indústria, Comércio, Minas e Energia do estado, Pedro Nadaf, a área onde estão localizados os depósitos é de propriedade particular e a exploração já foi requerida ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) pela empresa mineradora GME4.

“Os dois minérios estão lá, mas a forma que vai ser utilizada, a tecnologia e o modo de exploração cabe àqueles que têm a detenção, se tem interesse”, diz Nadaf. A GME4 informou que não se pronuncia sobre seus trabalhos e estudos técnicos para a quantificação das reservas. “Esses estudos são feitos de acordo com as especificações legais e com as melhores técnicas internacionais”, diz um comunicado da empresa.

De acordo com a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), a agricultura do estado vai economizar R$ 400 milhões por ano com a descoberta de fosfato, usado para a fabricação de fertilizantes. O diretor de Geologia e Recursos Minerais do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Manoel Barretto Rocha Neto, confirma que foram identificadas na região áreas com potencial para mineralização, mas explica que o órgão não faz avaliação de jazidas. “Nós apenas selecionamos áreas com potencial, não chegamos ao ponto de definir as reservas e dizer quanto existe na região.”

O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) considera que é cedo para avaliar as consequências da descoberta, que ainda precisa ser confirmada. O órgão chama a atenção para a necessidade de infraestrutura logística na região e ressalta que a possível descoberta mostra a necessidade de aumentar a pesquisa geológica no país.