publicidade
Mapa do Site Anuncie sua empresa Anucie sua oferta Cadastre-se
Sucata de Metais Ferrosos Sucata de Metais Não-Ferrosos Sucata de Plástico Sucata de Papel e Papelão Sucata de Eletrônicos Sucata em Geral
em noticias site todo
14/02/2011 - 17:00 - Por: Infomoney

Gerdau confirma redução de descontos no aço e tendência é positiva para o setor

"A retirada dos descontos para as distribuidores é fundamental para a recuperação das margens"

Com o aumento da demanda por aço, as principais siderúrgicas brasileiras já podem pensar em retirar parte dos descontos aplicados ao preço do produto vendido para a cadeia de distribuição. A Gerdau (GGBR4) é uma das que já praticam a redução dos subsídios e o fato tende a ser potencialmente positivo para o setor, diz a Ativa Corretora.

"A retirada dos descontos para as distribuidores é fundamental para a recuperação das margens", diz a Ativa. A corretora estima que, caso a tendência se confirme, seria possível a retomada da rentabilidade das siderúrgicas a partir do segundo trimestre de 2011.

De acordo com declaração do presidente da Frefer, a segunda maior distribuidora independente do País, os preços dos aços planos da ArcelorMittal Brasil ficariam de 11% a 13% maiores a partir de 15 de fevereiro. Por sua vez, a Usiminas praticaria uma elevação de preços a partir de abril.

 

Gerdau confirma redução de descontos

Procurada pelo Portal InfoMoney, a Gerdau ratificou a elevação de 8% no repasse de preços de aços longos na última semana. "A Gerdau confirma a redução de descontos praticados no mercado brasileiro para produtos de aços longos, contudo os percentuais variam de acordo com a região e os volumes demandados pelos clientes", declarou a empresa, via email.

Já a CSN (CSNA3) e a Usiminas (USIM3, USIM5), duas das mais importantes siderúrgicas do País, declararam não comentar sua política de preços.

 

Preços ainda são mais competitivos

Mesmo com o fim de parte dos descontos aplicados ao aço brasileiro, a fim de elevar a competitividade nacional frente aos aços importados, que entram no País favorecidos pela desvalorização do dólar, os preços brasileiros permaneceriam cerca de 10% inferiores aos vindos de fora, calcula a Frefer. Para a Ativa, a relação reforça a possibilidade de retomada do setor na segunda metade do ano.