publicidade
Mapa do Site Anuncie sua empresa Anucie sua oferta Cadastre-se
Sucata de Metais Ferrosos Sucata de Metais Não-Ferrosos Sucata de Plástico Sucata de Papel e Papelão Sucata de Eletrônicos Sucata em Geral
em noticias site todo
22/11/2011 - 17:23 - Por: O Povo

Chineses vão investir R$ 52 mi no CE

O anúncio foi feito após reunião com o presidente da Adece, Roberto Smith

Empresas chinesas estão com as atenções voltadas para o terreno cearense. Prosperity Minerals Holdings, Ningbo Port Company e Globest, que trabalham com exploração de minério de ferro vão investir uma soma de R$ 52 milhões em 2012. O anúncio foi feito após reunião com o presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Roberto Smith.

Segundo Smith, a aplicação de recursos além de agregar valor ao minério de ferro cearense, trará desenvolvimento para outros segmentos, já que os chineses investirão na produção de cimento no Estado.

O grupo tem uma reserva localizada a 420 km do Porto do Pecém, em Quiterianópolis, e já produz 100 mil toneladas ano no Estado e até o momento foram aportados R$ 26 milhões no Ceará, de acordo com a assessoria de imprensa da Adece.

Há quatro anos a empresa chinesa Prosperity China trabalha com a exploração de minério de ferro em Quiterianópolis e a expectativa é de construir um novo píer no Porto do Pecém. No entanto estão apenas em negociação com o Governo do Estado, não há nada fechado mas a estimativa é de uma produção de 200 mil toneladas de minério por ano.

O vice presidente da Prosperity China, Leigh Lee, diz que até o momento a empresa emprega 130 trabalhadores diretos, capacidade de produção para 600 mil toneladas de de minério de ferro e que o Porto do Pecém tem bom apoio logístico para a produção.

Até 2014, os chineses devem desembolsar quase R$ 1 bilhão que devem gerar 1.500 empregos diretos.

 

Minério de ferro

As siderúrgicas chinesas começaram a reconstruir estoques de minério de ferro depois que o preço do produto no mercado disponível atingiu o menor nível em 22 meses, no final de outubro, abaixo de US$ 117 por tonelada.ês, a 13ª alta consecutiva, sustentado por firme demanda chinesa em meio a sinais de que Pequim está perto de alterar a política monetária.