publicidade
Mapa do Site Anuncie sua empresa Anucie sua oferta Cadastre-se
Sucata de Metais Ferrosos Sucata de Metais Não-Ferrosos Sucata de Plástico Sucata de Papel e Papelão Sucata de Eletrônicos Sucata em Geral
em noticias site todo
06/12/2011 - 16:41 - Por: cidademarketing.com.br

Lixo eletrônico no lugar certo

O descarte do lixo eletrônico requer mais atenção, já que os equipamentos são compostos por materiais que podem contaminar o meio ambiente

O aumento do consumo de eletrônicos tem trazido mais do que rapidez aos processos de comunicação. A maior comercialização e a evolução dos aparelhos vêm acompanhadas, também, do crescimento do volume de resíduos. O descarte do lixo eletrônico requer mais atenção, já que os equipamentos são compostos por materiais que podem contaminar o meio ambiente e fazer mal à saúde, como chumbo, e outros metais pesados. Por suas peculiaridades, nem sempre os eletrônicos são tratados adequadamente pelas cooperativas, o que resulta em prejuízos ambientais e perdas financeiras para os catadores.

Frente a essas questões, surgiu o projeto Segurança + Renda: Coleta de lixo eletrônico, desenvolvido pelo Instituto GEA em parceria com o Laboratório de Sustentabilidade - vinculado ao Centro de Computação Eletrônica, da USP - e com patrocínio da Petrobras. Mais conhecido como Eco-Eletro, o projeto foi contemplado na seleção pública do Programa Petrobras Desenvolvimento & Cidadania, de 2010. A proposta, já em andamento, é incrementar a renda dos catadores de cooperativas e núcleos de catadores das cidades de São Paulo, Ribeirão Pires, Mauá, São Bernardo do Campo, Diadema e Guarulhos, por meio de capacitação. Serão oferecidos dez cursos que irão atender diretamente 180 pessoas.

Dessa maneira, espera-se alcançar destinação ambientalmente correta e melhoria na renda. Estima-se que alguns materiais podem valer até cem vezes mais ao receber separação correta e encaminhamento a empresas de reciclagem especializadas, em comparação ao tratamento dado a esse tipo de resíduo, normalmente. Segundo a coordenadora do projeto, Ana Maria Domingues, a iniciativa tem feito tanto sucesso que catadores de outros municípios, da Baixada Santista, e até de outros estados, como Minas Gerais, têm solicitado participação.

Além dos ganhos do treinamento e da disseminação de conhecimento para leigos que participam dos cursos como ouvintes, cada vez mais, os benefícios das parcerias entre os participantes aparecem. "Estamos articulando redes de cooperativas de forma que as vendas sejam feitas conjuntamente. Dessa maneira, os catadores conseguem preços melhores e ampliam sua atuação", conta a coordenadora. Se você mora em alguma das cidades onde o projeto atua e quer colaborar, conheça os locais que podem te ajudar a dar descarte ambientalmente correto para o seu lixo eletrônico.